|

Fascismo é amor: uma face desumana do altruísmo — Julie Reshe

Neste artigo, Julie Reshe afirma que o amor incorpora em si humanidade (a característica de ser eticamente “humano”) – mas que, ironicamente, a tragédia da raça humana consiste no fato de a inumanidade, encontrada por exemplo nos regimes nazifascistas, não ser o oposto do amor, e sim seu inalienável lado avesso.

|

Sobre sexo sintético e “ser você mesmo” — Slavoj Žižek

O filósofo e crítico social Slavoj Žižek descreve aquilo que vê como problema no namoro online: a busca pela perfeição. O amor, para ele, depende justamente de elementos imperfeitos nos indivíduos. Ele discorda, contudo, de que a falta de espontaneidade nas relações online seja um problema, e emprega algumas das suas típicas “piadas entediantes e repetitivas” para justificar sua opinião.