Os limites da democracia liberal — Slavoj Žižek
| |

Os limites da democracia liberal — Slavoj Žižek

Nas semanas que antecedem a eleição presidencial dos EUA, diferentes tipos de resistência populista estão formando gradualmente uma frente unida: “Nos estágios finais da eleição presidencial dos EUA, grupos milicianos armados estão forjando alianças com teóricos da conspiração e grupos antivacina que afirmam que a pandemia de coronavírus é uma farsa, intensificando o medo de…

Poder, aparência e obscenidade: cinco reflexões — Slavoj Žižek
| |

Poder, aparência e obscenidade: cinco reflexões — Slavoj Žižek

1: O novo mestre obsceno O espaço público obsceno que está emergindo hoje muda a forma com que a oposição entre as aparências e os boatos funcionam. Não é que as aparências não possuam mais importância quando a obscenidade reina diretamente; é que, na verdade, espalhar boatos obscenos e agir de forma obscena sustenta, paradoxalmente,…

Monitorar e punir? Sim, por favor! — Slavoj Žižek
| |

Monitorar e punir? Sim, por favor! — Slavoj Žižek

  Muitos comentaristas liberais e esquerdistas observaram como a epidemia do coronavírus tem servido para justificar e legitimar medidas de controle e regulamentação das pessoas, medidas que, até agora, eram impensáveis ​​em uma sociedade democrática ocidental. O bloqueio total da Itália não é o “sonho erótico” do totalitarismo? Não é de se admirar que (pelo…

Com os Coletes Amarelos: contra a representação, pela democracia — Christian Laval, Pierre Dardot
| | |

Com os Coletes Amarelos: contra a representação, pela democracia — Christian Laval, Pierre Dardot

Os protestos dos Coletes Amarelos botaram de pernas pro ar o establishment político francês nestes últimos meses. Poucas vezes existiu um presidente tão odiado quanto Macron é hoje, e sua liderança aparenta cada vez mais fragilizada. Neste artigo, Dardot e Laval analisam os protestos e o que eles podem significar para a política francesa. Pontos notáveis do texto incluem uma explicação do motivo que impulsiona a recusa dos Coletes Amarelos de serem representados por meio de porta-vozes e partidos, a defesa e elogio de ações de democracia direta tomadas por certos grupos dentro do movimento, e o ataque dos autores àquilo que chamam de “quietismo político” e “fatalismo” advindo de certas figuras possuidoras de suposta certeza absoluta do destino fascista do movimento.

Economia moral, poder e os Coletes Amarelos — Samuel Hayat
| | |

Economia moral, poder e os Coletes Amarelos — Samuel Hayat

Algo que vem causando muita, muita dor de cabeça em quem se presta a analisar o movimento dos Coletes Amarelos é a estranha unidade e coesão que este possui, mesmo não tendo sido fruto de grandes organizações e sim da reunião de diversas iniciativas locais. Neste texto que traduzimos, o sociólogo francês Samuel Hayat oferece uma possível explicação para isso: a defesa, pela ampla maioria dos membros do movimento, de pautas que nascem de uma “economia moral”, termo criado por E. P. Thompson para descrever uma maneira (conservadora) de abordar as relações econômicas muito comum nos movimentos e revoltas do século XVIII.

Sinais dos tempos, imagens do futuro: uma reflexão sobre os Gilets Jaunes e a revolta na França — Void Circle
| |

Sinais dos tempos, imagens do futuro: uma reflexão sobre os Gilets Jaunes e a revolta na França — Void Circle

Algo que vem causando muita, muita dor de cabeça em quem se presta a analisar o movimento dos Coletes Amarelos é a estranha unidade e coesão que este possui, mesmo não tendo sido fruto de grandes organizações e sim da reunião de diversas iniciativas locais. Neste texto que traduzimos, o sociólogo francês Samuel Hayat oferece uma possível explicação para isso: a defesa, pela ampla maioria dos membros do movimento, de pautas que nascem de uma “economia moral”, termo criado por E. P. Thompson para descrever uma maneira (conservadora) de abordar as relações econômicas muito comum nos movimentos e revoltas do século XVIII.

Próxima parada: destituição — lundimatin
| |

Próxima parada: destituição — lundimatin

Algo que vem causando muita, muita dor de cabeça em quem se presta a analisar o movimento dos Coletes Amarelos é a estranha unidade e coesão que este possui, mesmo não tendo sido fruto de grandes organizações e sim da reunião de diversas iniciativas locais. Neste texto que traduzimos, o sociólogo francês Samuel Hayat oferece uma possível explicação para isso: a defesa, pela ampla maioria dos membros do movimento, de pautas que nascem de uma “economia moral”, termo criado por E. P. Thompson para descrever uma maneira (conservadora) de abordar as relações econômicas muito comum nos movimentos e revoltas do século XVIII.