Ultimamente, tem crescido o interesse e apoio à ideia de socialismo nos Estados Unidos, especialmente entre as gerações mais jovens – uma despedida marcante dos dias temíveis e estultificantes da red baiting [fn} A expressão red-baiting, também conhecida como reductio ad Stalinum, representa uma falácia lógica cujo argumento consiste em retirar a validade e atribuir descrédito ao adversário pela acusação de se tratar de indivíduo ou grupo comunista, marxista, socialista, anarquia ou simpáticos a essas correntes. [/fn] inaugurados pela Guerra Fria do imperialismo mundial contra o bloco então existente de países que tentam construir o socialismo. Mas como pode o socialismo ser alcançado?

A Comuna de Paris de 1871 e a Comuna de Xangai de 1927 mostraram brevemente ao mundo como seriam os governos dos trabalhadores.

No século 19, o desenvolvimento capitalista na Europa e nos Estados Unidos disparou, grande parte alimentado pela superexploração dos trabalhadores pelas classes dominantes nas partes colonizadas da Ásia, África e América Latina e, nos EUA, dos negros ainda subjugados, mesmo após a abolição da escravidão. A consolidação do poder político por uma classe imensamente rica de comerciantes, fabricantes e banqueiros levou a condições intoleráveis ​​para as crescentes classes trabalhadoras.

Na Parte 2 desta série, descrevemos as tentativas de utopistas fervorosos, quase um século e meio atrás, de construir o socialismo por meio da criação de comunidades-modelo, que melhoraram enormemente a vida dos trabalhadores e foram pioneiras em libertar as mulheres trabalhadoras da labuta doméstica. Mas esses experimentos utópicos foram esmagados pelos ciclos de expansão e queda da ordem mundial capitalista que os cerca.

Mesmo quando os socialistas utópicos foram incapazes de obter a neutralidade da classe dominante, muito menos o apoio, para suas reformas, outra corrente ideológica estava se desenvolvendo. Já em 1848, a necessidade de derrubar a classe dominante capitalista foi apresentada por dois jovens alemães, Karl Marx e Friedrich Engels. Eles escreveram no Manifesto Comunista: “a moderna sociedade burguesa que brotou das ruínas da sociedade feudal não acabou com os antagonismos de classe. Apenas estabeleceu novas classes, novas condições de opressão, novas formas de luta no lugar das antigas.”

Marx e Engels não só deram voz às aspirações dos trabalhadores com uma linguagem instigante, mas também lutaram nas barricadas da revolução alemã de 1848. Embora essa luta fosse basicamente por direitos democráticos contra o Estado burguês repressivo e os resquícios do feudalismo, já refletia fortemente as demandas independentes da classe trabalhadora.

Comuna de Paris de 1871

Levaria mais 23 anos, entretanto, até que a classe trabalhadora tivesse a oportunidade – mesmo que por um breve período – de mostrar o que poderia fazer se assumisse o poder. A Comuna de Paris de 1871 durou apenas alguns meses, mas naquela época os trabalhadores de Paris, mulheres e homens, derrubaram os pilares do governo burguês. Pode-se dizer que eles mostraram ao mundo “assim é a democracia operária” ao desmantelar os órgãos repressivos do Estado burguês e substituí-los por comitês de defesa operários armados.

O marxismo, como já era chamado, baseava-se não na especulação e no pensamento positivo, mas em uma análise materialista do estado existente da sociedade humana. Assim, foi com grande entusiasmo e entusiasmo que Marx e Engels estudaram a Comuna de Paris e suas conquistas.

A Comuna assumiu o poder em um cenário de caos e sofrimento infligido às massas pela Guerra Franco-Prussiana e o cerco do Exército Prussiano a Paris. A Comuna durou menos de três meses, mas naquele tempo valiosas lições foram aprendidas sobre o que os trabalhadores precisavam fazer para transformar a sociedade de uma sociedade baseada na opressão de classe para uma com o potencial de abolir o privilégio e as divisões de classe.

Em 18 de março de 1871, o Comitê Central da Comuna emitiu um manifesto: “Os proletários de Paris, em meio aos fracassos e traições das classes dominantes, compreenderam que chegou a hora de salvar a situação, assumindo próprias mãos a direção dos assuntos públicos. […] Eles compreenderam que é seu dever imperioso, e seu direito absoluto, tornar-se senhores de seus próprios destinos, apoderando-se do poder governamental.” E eles mantiveram o poder por pouco mais de dois meses – tempo suficiente para mostrar o que o poder dos trabalhadores poderia fazer.

Em maio de 1871, logo após a Comuna ter sido esmagada pela força combinada do governo de Versalhes da França e de seu adversário, a Prússia, Marx escreveu que havia demonstrado: “[A] classe trabalhadora não pode simplesmente tomar posse da máquina estatal e manejá-la para seus próprios fins”.

Esse “poder estatal centralizado”, escreveu ele, “com seus órgãos onipresentes de exército permanente, polícia, burocracia, clero e judicatura”, originou-se “nos dias da monarquia absoluta, servindo à nascente sociedade de classe média como uma arma poderosa em sua luta contra o feudalismo.” Mas uma vez que os capitalistas substituíram os senhores feudais e a luta de classes entre trabalhadores e capitalistas esquentou, a burguesia “agora usava aquele poder do Estado impiedosa e ostensivamente como o motor de guerra nacional do capital contra o trabalho”.

Novos órgãos políticos de poder

Os trabalhadores de Paris tiveram que criar novos órgãos de poder. E eles o fizeram.

Eles efetivamente defenderam Paris do cerco prussiano à cidade no outono de 1870, estabelecendo uma Guarda Nacional composta principalmente por trabalhadores. Um dos primeiros decretos da Comuna foi para a supressão do antigo exército permanente e sua substituição pelo povo armado.

A Comuna era composta por vereadores municipais de todos os distritos da cidade, escolhidos por sufrágio universal. Seus prazos curtos podem ser revogados se as pessoas não ficarem satisfeitas. Era um órgão funcional com poderes legislativos e executivos. Todos os funcionários, incluindo a polícia, magistrados e juízes, deviam ser agentes da Comuna, podiam ser chamados de volta a qualquer momento e recebiam os mesmos salários dos trabalhadores regulares.

A Comuna perdoou todos os aluguéis de casas acumulados de outubro de 1870 a abril de 1871. Se esses aluguéis já tivessem sido pagos, deveriam ser deduzidos dos pagamentos futuros. Também interrompeu todas as vendas de itens nas casas de penhores da cidade.

Tendo se libertado do exército e da polícia permanentes, a Comuna cortou a conexão entre a igreja e o Estado, encerrando as dotações e privilégios materiais para a Igreja Católica, ainda não oficialmente a religião do Estado. Os padres, disse Marx, “foram enviados de volta para os recônditos da vida privada, para ali se alimentar das esmolas dos fiéis, imitando seus antecessores, os apóstolos”. O jornal da Comuna, Mot D’Ordre, expôs os crimes da igreja contra freiras que foram presas e até torturadas por padres. O controle da igreja sobre as escolas foi encerrado, a ciência triunfou sobre o dogma e a educação passou a ser gratuita.

Engels, em sua introdução à edição alemã de A Comuna de Paris de Marx, escreveu que em 6 de abril: “[A] guilhotina foi retirada pelo 137º batalhão da Guarda Nacional e queimada publicamente em meio a aplausos populares. Em 7 de abril, a Comuna ordenou que a coluna triunfal da Place Vendome, construída por Napoleão I após a guerra de 1789 com canhões capturados, fosse derrubada, pois era um símbolo de ódio chauvinista e mútuo entre as nações. Isso foi realizado em 16 de maio. Desde então, foi restaurado.

“No dia 16 de abril, a Comuna deu ordem para um relatório estatístico de todas as fábricas e oficinas que haviam sido fechadas pelos empregadores, para a elaboração de planos de gestão pelos operários até então engajados nelas, que deveriam ser constituídas em sociedades cooperativas para o objetivo; e, também, para a federação dessas sociedades em uma grande organização cooperativa. No dia 20, aboliu o trabalho noturno dos padeiros”.

Engels acrescentou que os apologistas alemães do capitalismo “recentemente foram lançados mais uma vez em paroxismos saudáveis ​​com a expressão ‘ditadura do proletariado’. Bem, gentis senhores, gostariam de saber como é esta ditadura? Então veja a Comuna de Paris. Essa foi a ditadura do proletariado.” Sim, foi uma ditadura, mas dominada pela maioria, tendo derrubado a ditadura de uns poucos ricos.

Mulheres nas barricadas

Em uma época em que as mulheres tinham poucos direitos de qualquer tipo, a Comuna foi fortalecida pela formação de uma União das Mulheres – Union des Femmes – liderada por mulheres socialistas. Exigiram o direito das mulheres de pegar em armas em defesa da revolução e lutaram heroicamente nas barricadas quando a burguesia francesa, em conluio com os militares prussianos que sitiavam Paris, atacou os Communards.

A Union des Femmes exigia pagamento igual para as mulheres, o direito ao divórcio, a educação para as meninas e o reconhecimento de todas as crianças como “legítimas”. As viúvas dos guardas nacionais mortos deveriam receber pensões para si mesmas e para seus filhos, fossem casados ​“legalmente” ou não. No dia anterior à entrada das tropas francesas em Paris – com a ajuda da Prússia – para esmagar a Comuna, a Comuna declarou oficialmente pagamento igual para mulheres e homens trabalhadores.

Enquanto as mulheres em outros países capitalistas “iluminados” ainda estavam a décadas de conquistar o direito ao voto, as mulheres da classe trabalhadora de Paris estavam na vanguarda da luta pela igualdade social.

Comuna de Xangai de 1927

O estabelecimento do governo dos trabalhadores na forma de uma Comuna ressurgiu na China em 1927. Uma pesquisa de livros em inglês sobre a China revela pouco sobre o que a rebelião dos trabalhadores em Xangai foi capaz de realizar durante sua curta vida, mas Agnes Smedley, em sua biografia da principal figura militar da Revolução Chinesa (O Grande Caminho: a vida e os tempos de Chu Teh), dá um relato detalhado de como a Comuna foi derrotada.

O estabelecimento da Comuna ocorreu durante um ponto de inflexão tempestuoso na longa luta contra a dominação estrangeira e a reação doméstica. Sun Yat-sen, líder do Kuomintang, que fora um partido nacionalista burguês que lutava contra os senhores da guerra e seus patronos coloniais, havia morrido. Sob seu novo líder, Chiang Kai Shek, o Kuomintang rompeu repentinamente sua aliança com o Partido Comunista da China e logo afogaria o movimento operário em sangue.

A cidade de Xangai era notória pelo tratamento brutal dispensado pelas potências estrangeiras de ocupação, particularmente a Grã-Bretanha, contra a empobrecida classe trabalhadora. O racismo dos imperialistas era tão flagrante que os chineses de qualquer classe foram barrados das seções controladas por estrangeiros daquela cidade portuária chave e poderiam ser assassinados no local se violassem as sanções dos imperialistas.

A partir de fevereiro de 1927, escreveu Agnes Smedley, “[Uma] força expedicionária especial britânica, junto com fuzileiros navais americanos, franceses e japoneses, desembarcou em Xangai, para a qual as forças de Chiang Kai Shek estavam convergindo. Em 19 de fevereiro, três dias após seu desembarque, os trabalhadores de Xangai entraram na primeira das três greves gerais, todas organizadas por Zhou Enlai. O general Sun Chuanfang, Senhor da Guerra comandante no baixo Yangtze, atacou com tudo o que tinha na primeira e na segunda greves gerais, esmagando e decapitando centenas de trabalhadores como uma advertência sangrenta aos outros.

“Sem desanimar, os trabalhadores convocaram sua terceira greve geral, que paralisou a cidade no final de março, quando as forças de Chiang se aproximaram de Xangai. Liderados por 300 homens armados com pistolas, os trabalhadores invadiram delegacias de polícia, quartéis de guarnições e, por fim, o arsenal. Com as armas capturadas, eles lutaram e expulsaram as tropas do senhor da guerra Sun de toda a área de Xangai, em seguida, enviaram uma delegação para dar as boas-vindas às tropas de Chiang na cidade.”

Os trabalhadores, sem perceber que Chiang havia traído a aliança, esperavam o apoio do exército nacionalista. Em vez disso, ele os ceifou.

Ensanguentado, mas não derrotado

Smedley cita Chu Teh como lhe dizendo: “Em meados de 1927, a Grande Revolução terminou, […] rios de sangue estavam fluindo, generais estavam mudando de lado e havia caos e confusão por toda parte. Chiang Kai Shek estava subindo ao poder, atraindo velhos e novos senhores da guerra para si e jogando-os um contra o outro para se manter no topo. […] Chiang estava sendo sustentado pelas forças combinadas do imperialismo estrangeiro, da burguesia chinesa e da pequena nobreza feudal. […] Chiang foi proclamado por estrangeiros como um patriota, um estadista, um grande administrador e o único homem forte capaz de manter a China unida.”

A Revolução Chinesa sofreu um golpe terrível, mas não foi derrotada. A luta pelo socialismo continuou e, eventualmente, novos líderes – Mao Tse Tung entre eles – fizeram uma retirada estratégica para o interior.

Muitos dos milhares que se juntaram na Grande Marcha de 12.000 quilômetros para o interior eram trabalhadores e intelectuais que sobreviveram ao esmagamento da Comuna de Xangai e outras lutas de massa nas cidades costeiras. Lá eles ganharam o apoio de milhões de camponeses que se juntaram à rebelião contra os odiados latifundiários, usurários sugadores de sangue e capitalistas.

Eles estavam confiantes na justiça de sua causa – o suficiente para sustentá-los por mais duas duras décadas de luta contra os proprietários, patrões, banqueiros e imperialistas japoneses, até o grande dia em 1949 quando Mao, em pé na Praça Tiananmen em Pequim, foi capaz de proclamar ao mundo o estabelecimento da República Popular da China com as palavras: “O povo chinês se levantou”.

Deirdre Griswold


Tradutor: Moisés João Rech
Revisão: Ricardo Menezes

Original: https://www.workers.org/2018/10/39426/

Similar Posts

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *