O 7, ímpar e vermelho — Daniel Bensaïd
| |

O 7, ímpar e vermelho — Daniel Bensaïd

“Le 7, gauche et rouge” – Introdução ao livro “A aposta melancólica [Le pari mélancolique]: metamorfoses da política, política das metamorfoses”, de Daniel Bensaïd, 1997. “Já estamos inseridos nisso.” Pascal “Todo Pensamento emite um Lance de Dados.” Mallarmé Na virada do século XV, o espaço e o tempo são submetidos a uma grande metamorfose. O…

Cinco teses sobre Herbert Marcuse como teórico crítico da emancipação – Hans-Jürgen Krahl
| |

Cinco teses sobre Herbert Marcuse como teórico crítico da emancipação – Hans-Jürgen Krahl

[1]Fonte:  Konstitution und Klassenkampf, Verlag Neue Kritik, p. 298. I. Marcuse interpreta os princípios emancipatórios de possíveis processos sociais revolucionários nas metrópoles industriais do capitalismo tardio, no sentido de que a base empírica da alienação de si não é mais a experiência mediada da miséria imediata, mas o caráter social contraditório [Widersprüchlichkeit] a ser experimentado…

A constante destruição da experiência – Ezra Riquelme
| |

A constante destruição da experiência – Ezra Riquelme

“Não, uma coisa é clara: o curso da experiência decaiu, e isso ocorreu em uma geração que vivenciou, de 1914 a 1918, uma das experiências mais terríveis da história universal. O fato, no entanto, não é constatado pelo silêncio daqueles que retornavam do campo de batalha? Não mais ricos, mas mais pobres em experiência comunicável.”…

A fábrica móvel – Jean-Paul de Gaudemar
|

A fábrica móvel – Jean-Paul de Gaudemar

A partir de meados dos anos 70, parece ter se tornado evidente para alguns teóricos franceses que modificações fundamentais nas relações dos indivíduos com o espaço ocorreram, principalmente como sinal de uma nova forma de ordenamento produtivo. Os trabalhos dos Situacionistas, Henri Lefebvre, Paul Virilio, ou mesmo um cinema tão consciente da espacialidade como mediadora…

Manifesto do Afirmacionismo – Alain Badiou
| |

Manifesto do Afirmacionismo – Alain Badiou

“Nossa capacidade de resistência e invenção requer que renunciemos aos nossos prazeres das margens, na obliquidade, na desconstrução infinita, no fragmento, na exposição trêmula da mortalidade, na finitude e no corpo. Em prol do pobre século que se inicia, devemos – e iremos – declarar a existência do que não existe mais na arte: a construção monumental, o projeto, a força criativa dos fracos, a destruição dos poderes estabelecidos.”

Antes do desejo: por uma ética de esquerda – Nico Namo Spitale
| |

Antes do desejo: por uma ética de esquerda – Nico Namo Spitale

Este ensaio se debruça sobre a atual desproporção de forças entre a reprodução do capital e o sujeito revolucionário. Há uma nítida insuficiência na esquerda para transformar os possíveis. A atomização do trabalho, a sofisticação da indústria cultural e o avanço das tecnologias de repressão, em suma, apontam para as explicações objetivas dessa situação. No entanto, o que mais nos interessa aqui é a condição subjetiva: quais modelos de sujeito utilizamos para traçar os problemas da dimensão das condutas? E como esse sujeito pode ser afetado e afetar por meio da crítica? Enfim, se a ética foi a tentativa de objetivar o mundo da “liberdade”, é porque se assentou o modelo moderno de sujeito, dotado de uma consciência transcendental indivisível. Uma ética de esquerda, que se pretende revolucionária, deverá revisar esse modelo individual para aumentar suas chances de transformar condutas, escapando da simples “elevação de consciência”.