Também Marcuse um adulador? – Pier Paolo Pasolini

Também Marcuse um adulador? – Pier Paolo Pasolini

* [1] Esta nota é pretexto. Examino o Marcuse… manipulado pela entrevista, não o verdadeiro. Sei – a partir de uma entrevista do “Paese Sera” que Marcuse teria definido os jovens estudantes como “os verdadeiros heróis do nosso tempo” (a palavra “heróis” é usada em sentido positivo, e não, por exemplo, como poderia ser usada…

Entrevista de Moishe Postone: a atualidade da Teoria Crítica
| |

Entrevista de Moishe Postone: a atualidade da Teoria Crítica

OUTROS TEMPOS EXIGEM OUTROS CONCEITOS Jochen Baumann conversa com Moishe Postone sobre a atualidade da Teoria Crítica[1]Essa entrevista foi publicada em 1999. Em 2003 e 2007 apareceram, respectivamente, os textos “O Holocausto e a trajetória do século XX” e “Considerações sobre a história judaica como … Continue reading Jochen Baumann: O que você entende por marxismo…

O 7, ímpar e vermelho — Daniel Bensaïd
| |

O 7, ímpar e vermelho — Daniel Bensaïd

“Le 7, gauche et rouge” – Introdução ao livro “A aposta melancólica [Le pari mélancolique]: metamorfoses da política, política das metamorfoses”, de Daniel Bensaïd, 1997. “Já estamos inseridos nisso.” Pascal “Todo Pensamento emite um Lance de Dados.” Mallarmé Na virada do século XV, o espaço e o tempo são submetidos a uma grande metamorfose. O…

100 Anos de Lênin: a Melancolia de uma Utopia – Leonardo Silvério
| |

100 Anos de Lênin: a Melancolia de uma Utopia – Leonardo Silvério

Nesses 100 anos da morte de Lênin que se completam em 21 de Janeiro de 2024, quais são as reflexões que nos tomam? Em que medida seu legado nos alcança e a que medidas ele ainda nos impele com sua atualidade? Qual é a circunstância da melancolia de esquerda neste quadro?

Como Mao avaliaria os Gilets Jaunes? — Slavoj Žižek
| | |

Como Mao avaliaria os Gilets Jaunes? — Slavoj Žižek

Neate texto, Žižek resgata os conceitos maoistas de contradição primária e secundária para abordar aquilo que, ao seu ver, é uma falha do movimento dos Coletes Amarelos, ao mesmo tempo em que apresenta um caminho para solucionar esta fraqueza.

|

Acheronta Movebo — Slavoj Žižek

“Se não posso vencer os céus, moverei o Inferno.”

Neste ensaio, Žižek disserta sobre as bases materiais (e inconscientes) que sustentam as instituições e as diversas perversidades cometidas por estas; e, retomando uma peculiar tática leninista-trotskista empreendida na Revolução Russa (e esquecida pela esquerda), afirma a necessidade de uma tomada revolucionária da rede digital, uma das “regiões obscuras da realidade” que regem nosso cotidiano, para assim derrubar o Estado e o capitalismo.

|

Sobre as mulheres como classe: feminismo materialista e luta de massas — Alyson Escalante

A relação entre gênero e capital é complexa – mas uma abordagem materialista quanto a ambos requer de nós enxergar a categoria gênero simultaneamente como uma contradição de classes entre homens e mulheres e como um efeito de um conflito mais primordial: aquele entre proletariado e burguesia. Alyson Escalante reafirma neste ensaio tanto esta perspectiva como também um reconhecimento da centralidade da revolução proletária para a libertação das mulheres.

|

Para acabar com nossa crise política global, a esquerda precisa aprender com Donald Trump — Slavoj Žižek

“O 1, o novo espaço comum, que a esquerda deve oferecer é simplesmente a maior conquista político-econômica da Europa moderna: o welfare state social-democrata. […] Estaríamos então apenas retornando ao antigo? Não: o paradoxo é que, na nova situação de hoje, insistir no velho welfare state Social-Democrata é um ato quase revolucionário”.